Skip navigation

em 1927, a atriz americana clara bow viveu a vendedora ‘betty lou spence’, em ‘it’. apaixonada pelo herdeiro da loja onde trabalhava — graças à personalidade ora ingênua, ora fatal –, conquistou não só o rapaz, mas um lugar na história. isso porque, depois do filme, o verbete ‘it girl’ passou a ser sinônimo da garota capaz de seduzir todos com seu magnetismo pessoal. ter ‘it’ é ter um je ne sais quoi. a partir de então, várias mulheres personificaram tal conceito (de betty page e twiggy a audrey hepburn e brigitte bardot) — a minha preferida de todas as ‘it girls’ é kate. mas, no novo milênio, várias outras surgiram… abaixo, minha top 5 it-girls do século xxi!

 

eu amo kate moss. há 20 anos como modelo, esteve entre cindy crawford, linda evangelista, claudia schiffer, etc (as ‘super models’) e continua na ativa sem ganhar a atmosfera vintage como as outras (com excessão de naomi campbell). o rosto dos anos 90, protagonizou a heroina chic (vide as ads da ck) e sobreviveu ao ‘efeito gisele’ com “o retorno das curvas”, como decretou a toda-poderosa anna wintour. quando as garotas do leste europeu estampavam todas as publicações de moda, kate não se abalou. não é à toa que figura no primeiro lugar da models.com como ícone fashion.

sua vida pessoal também é um prato cheio para paparazzi. em 98, foi para rehab. em 2005, foi flagrada cheirando cocaína. ano passado, saiu da balada com o vestido todo rasgado e, semana passada, saiu trêbada de outra festa e amparada pelo noivo, jamie hince, do the kills. ainda nos anos 90, formou com johnny depp o casal mais cool da década. em um desfile de galliano, desceu da passarela (bêbada) para beijar depp, que estava na primeira fila. histórias que ambos quebravam quartos de hotéis têm aos montes. mas foi com pete doherty que fez a terra tremer com non-stop party lifestyle. quer dizer, é a it (bad) girl com letra maiúscula!

 

agyness deyn, nascida laura hollins, imprime o cool. a modelo começou a ganhar visibilidade em 2006, depois de ser capa do suplemento de beleza da vogue paris. desfilou para marc by marc, zac posen, versace, gaultier. foi capa da vogue itália, com fotos de steven meisel. em 2007, estourou! só para citar alguns trabalhos: o rosto da armani, burberry, hugo by hugo boss. capa da dazed & confused japonesa e vogue inglesa, editoriais para a w e vogue américa. desfilou para michael kors, oscar de la renta, missoni. foi eleita ‘a modelo do ano’ pela ‘british fashion awards’. e, com henry holland, lançou uma linha de jóias. em 2008, fez o calendário da pirelli; desfilou para anna sui, house of holland; estrelou editorial para dazed & confused… está em 7o lugar no models.com, mas com certeza, até o fim do ano, a lista de trabalhos aumenta muito e a posição no rankin diminui!!

não é por acaso que agyness deyn é conhecida como ‘a substituta de kate moss’ — principalmente depois de desbancar a própria do primeiro lugar na eleição da tatler como ‘a mais bem vestida’, mês passado. as 5 capas diferentes para a i-D deste mês, com o tema ‘icon’, só confirmam o hype em torno desta inglesa de 25 anos. isto porque deyn tem estilo. como anna wintour definiu, “jackie o. cruzou com debbie harry e encontrou steve nicks”. com cabelos curtinhos que ora estão loiro platinado, ora escuros, ela brinca com o visual (sempre criativo) despretenciosamente — típico de quem sabe que a moda não é para ser levada à sério. mistura punk com anos 80: calças skinny e t-shirts largas e coloridas. a atitude meio rebelde completa o (very very cool) pacote!

 

cory kennedy tem carisma. natural de santa mônica, uma cidade de 85 mil habitantes nos estados unidos, se tornou uma verdadeira celebridade da internet. em 2005, já frequentava as baladas de los angeles — foi assim que conheceu cobrasnake, um fotógrafo da nightlife. daí que ele percebeu que todas as vezes que postava uma foto dela, seu site bombava. assim, ficaram amigos e, mais tarde, começaram a namorar. em 2006, ele a levou para a redação da nylon, em nyc, e lá conseguiram uma matéria com ela falando sobre o myspace. de volta à costa oeste, cory montou seu blog, que foi super acessado. assim começou o hype! publicações, como new york times, falavam sobre ela; baladas mainstream pagavam por sua presença em eventos, sendo fotografada ao lado de party girls como paris hilton e lindsay lohan.

com um senso de estilo incrível e fazendo um revival da heroína chic dos anos 90 (com os longos cabelos desgrenhados e o olhar entediado), cory kennedy logo chamou a atenção dos fashionistas. estampou capas, matérias e editoriais de publicações especializadas ao redor do mundo. designers se inspiraram na sua figura e ela era presença garantida na primeira fila dos mais disputados desfiles. e isso tudo só não é um conto de fadas pós-moderno perfeito porque a menina nasceu em 1990 e, nos estados unidos, a maioridade é aos 21 anos — ou seja, só em 2011 para ela. seus pais sabiam da sua exposição virtual, mas não tinham noção da dimensão. quando descobriram a real vida da filha, a colocaram em um colégio interno com o uso do telefone e do computador restrito. apenas com o fim de semana livre, seus posts no blog diminuíram consideravelmente. mas o youthquake cory kennedy ainda estremece o mundinho!

 

julia restoin-roitfeld tem um sobrenome de peso: é filha de christian restoin (ex-dono da equipament) e carine roitfeld (toda-poderosa da vogue paris). também tem um rostinho bonito, tanto que foi escolhida por tom ford para estrelar a campanha do perfume ‘black orquid‘, em 2006. “roitfeld é exatamente o que beleza é para mim”, disse na época. e a garota tem talento já que, neste mesmo ano, se formou na parsons e estagiou com fabien baron e craig mcdean. atualmente, com 27 anos, concentra-se na carreira de designer gráfica e faz freela para clientes como v magazine e jean paul gaultier.

mas é seu estilo que chama a atenção. fã de marc jacobs e azzedine alaïa (“porque ele envolve as curvas femininas”), a francesa — que escolheu a livre nyc para morar — mistura o rock com o girlie. quando está em paris, prefere ir ao sex shop em pigalle a se jogar na prada ou miu miu. sem contar que tem acesso ao guarda-roupa da melhor stylist de todos os tempos (carine roitfeld). julia prova que aprendeu a lição passada pela mãe: “nunca try too hard ou levar as tendências a sério — porque elas mudam muito rápido”. a garota, que acha que a roupa é a nova pop art, sabe que personalidade é o que vale.

 

arden wohl foi mais uma dica do james. amiga de julia roitfeld-restoin, é considerada uma ‘alternasocialite’ (deixar-se fotografar fumando crack prova tal teoria). ela não tem o rostinho bonito como as outras it-girls, mas tem muito estilo: é a representante máxima do boho-chic e foi a hostess da festa da prada nesta temporada. obcecada por headbands, tem um senso estético único, criativo e divertido.

arden virou hype quando produziu e dirigiu ‘coven‘, em 2006 — o curta é o projeto de graduação da new york university. em 2007, produziu ‘the playground project’ — documetário sobre prostituição infantil que contou com george clooney, entre outros. obviamente filantropa, declarou ao observer: “eu não estou dizendo que garotas que usam vestidos de festa deveriam se importar mais com a causa. mas paris hilton, ou alguém como ela, se acreditasse em algo, poderia fazer a diferença. ela é fabulosa, ela é ótima — você sabe, eu não sei. tanto faz”!! o que eu sei é que sua persona não estimula a minha indiferença. arden worhol oscila na linha entre o politicamente correto e a desobediência de regras. e isso é muuuito cool!

.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: